sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Nomes cotados por Bolsonaro para o Meio Ambiente são ligados a frente da agropecuária


            A recém-escolhida ministra da Agricultura do próximo governo, deputada federal Tereza Cristina (DEM-MS), começou a dar as cartas no período de transição. Com apenas um dia como futura titular da pasta, pediu celeridade para a escolha do ministro das Relações Exteriores e, nos bastidores, estabeleceu-se como o elo entre o futuro ministro do Meio Ambiente e o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Todos os três nomes cotados para a pasta são ligados à também presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA). São eles: o agrônomo Xico Graziano, o deputado federal Evandro Gussi (PV-SP) e o chefe da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda.

O deputado federal Evandro Gussi conta que a última em vez que esteve com o então colega de plenário Jair Bolsonaro foi antes da eleição, acompanhado da FPA, no Rio de Janeiro. Gussi defende uma maior racionalidade no processo de licenciamento ambiental e de fiscalização para, dessa maneira, “punir o descumpridor da lei, mas respeitar quem produz.

Também citado entre os possíveis ocupantes do ministério, Xico Graziano é engenheiro agrônomo e técnico na área. Chegou a ser secretário de Meio Ambiente de São Paulo entre 2007 e 2010. Também atuou no Congresso Nacional, como deputado federal, em duas legislaturas, pelo PSDB. No entanto, recentemente se afastou do ninho tucano para apoiar a candidatura de Jair Bolsonaro.

Procurado pela reportagem, Evaristo de Miranda preferiu não conceder entrevista. Segundo a assessoria de imprensa, o mais provável candidato à vaga está em viagem dentro do Brasil, mas a equipe não conseguiu precisar a localidade. É o mais técnico, entre os nomes cogitados, e especialista nas áreas da agronomia e do meio ambiente. Hoje, atua como chefe da Embrapa Territorial. Miranda é ligado ao agronegócio e se reuniu recentemente com o presidente eleito Bolsonaro. Sérgio Moro, Paulo Guedes e Onyx Lorenzoni também se encontraram com o possível novo ministro.

Qualquer que seja o próximo titular do Meio Ambiente, Tereza Cristina afirmou que o novo ministro manterá a posição defendida pelo presidente eleito. Ele terá de se posicionar contra a chamada “indústria da multa” e ser favorável a acabar com o “viés ideológico” presente na pasta, explica a futura ministra da Agricultura. “Não só eu, mas todos os produtores brasileiros esperam um quadro técnico responsável”, afirmou.

PUBLICIDADE

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search