sexta-feira, 5 de julho de 2019

Com apoio do PSL, comissão rejeita alívio a aposentadoria de policiais

               Com ajuda do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, a comissão especial que analisa a reforma da Previdência rejeitou afrouxar as regras de aposentadoria para categorias da segurança pública. Integrantes do governo e interlocutores do Palácio do Planalto atuaram contra o apelo público de Bolsonaro nesta quinta-feira (4) por regras mais brandas para policiais federais e policiais rodoviários federais, um pedido para desidratar a própria proposta de reforma.

Eventuais mudanças na proposta para essas categorias devem ser discutidas apenas no plenário, após a conclusão da aprovação da reforma na comissão especial. O texto-base da proposta foi aprovado por 36 votos a 13, mas ainda precisam ser votados os chamados destaques –pedidos de partidos e deputados para que uma parte específica da proposta seja analisada separadamente.

Dois destaques que favoreceriam o setor de segurança pública foram rejeitados. Um deles beneficiaria até oficiais de Justiça, mas foi derrubado por 31 votos a 17. O outro, apresentado pelo PSD, suavizaria para policiais federais, policiais rodoviários federais, policiais legislativos, agentes penitenciários e peritos, mas foi negado, por 30 a 19.

Ao ser anunciado o resultado, policiais que estavam na comissão gritavam: "PSL traiu a polícia do Brasil". E também contra o presidente: "Bolsonaro traidor!" "A defesa da nossa segurança pública não pode ser confundida com a defesa da Previdência Social. São coisas distintas", disse o deputado Filipe Barros (PR), ao orientar a bancada do PSL a votar contra benesses à segurança pública.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search