domingo, 9 de junho de 2019

Intercept revela que mensagens provam ação combinada de Moro para condenar Lula


          Advogados do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmaram em nota que as mensagens privadas trocadas entre o ex-juiz e atual ministro da Justiça, Sergio Moro, e o coordenador da Força-Tarefa da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol, revelam uma atuação combinada com objetivo de condenar o petista. As mensagens foram divulgadas hoje pelo site The Intercept Brasil. 

Nas conversas, ao longo de dois anos, Moro sugeriu que o procurador trocasse a ordem de fases da Lava Jato, deu conselhos e pistas informais de investigação e antecipou uma decisão que ele ainda daria. Além disso, criticou e sugeriu recursos ao Ministério Público. A Constituição de 1988 determina que não haja vínculos entre o juiz e as partes em um processo judicial. Para que haja isenção, o juiz e a parte acusadora --neste caso, o Ministério Público-- não devem trocar informações nem atuar fora de audiências.

Em uma das mensagens, em 21 de fevereiro de 2016, Moro sugeriu a Dallagnol que fosse invertida a ordem de duas operações da Lava Jato. O procurador afirmou que haveria problemas logísticos para que isso acontecesse. No dia seguinte, ocorreu a 23ª fase da Lava Jato, a Operação Acarajé. "Em diversos recursos e em comunicado formalizado perante o Comitê de Direitos Humanos da ONU, em julho de 2016, demonstramos, com inúmeras provas, que na Operação Lava Jato houve uma atuação combinada entre os procuradores e o ex-juiz Sérgio Moro com o objetivo pré-estabelecido e com clara motivação política, de processar, condenar e retirar a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva".

O perfil do ex-presidente no Twitter fez menções às dúvidas que Dallagnol revelou sobre as provas no processo do tríplex do Guarujá.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search