quinta-feira, 9 de maio de 2019

Festival comemora os 130 anos de Ulysses Lins em Sertânia e Recife

        Conhecido como Patriarca da Literatura Sertaneja, Ulysses Lins – O Trovador do Sertão dá nome ao festival que comemora os 130 anos de nascimento e 40 anos de saudade do poeta, reunindo escritores, músicos, estudantes e amantes da literatura na cidade de Sertânia. O evento que iniciou no último dia 06, segunda-feira, começou com visitações a Casa Museu do Poeta e Escritor Ulysses Lins, localizada na Fazenda Conceição. 

Promovido pela Associação Cultural de Sertânia (Acordes) e a Sociedade dos Poetas, Escritores, Compositores e Artistas de Sertânia (Sapecas), o Festival tem nesta quinta-feira (09) um dos grandes momentos, na cidade do Recife, que é o lançamento da Antologia Poética do escritor (“Ao Sol do Sertão”, “Fogo e Cinza”, “Sol Poente”, e “A Noite Vem - 2ª Edição revista e ampliada”) na Academia Pernambucana de Letras, às 19h, com a presença da professoras, escritora e filha da Ulysses Lins, Terezinha Lins. 

Já na sexta-feira (10), as atenções do Festival se voltam novamente para Sertânia que realiza novenário (19h) em Ação de Graças especial pela memória do escritor e poeta, seguido de show musical com o grupo 3 de Nós (Monteiro-PB) e apresentação do Sarau da EPJM com poemas de Ulysses. 

Fechando a noite da sexta ainda tem depoimento do escritor e professor Antonio Jorge de Siqueira; apresentação do poeta Túlio Araújo, sobrinho bisneto de Ulysses Lins; depoimentos do poeta, autor teatral e artista plástico Marcos Cordeiro, do poeta Ricardo Mariano e de Leonardo Lins, neto de Ulysses e organizador da Antologia Poética que terá uma sessão de autógrafos ao final da Noite da Poesia Moxotesca. 

O Festival Ulysses Lins se encerra no sábado (11), em frente a Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, com o teatro “Anjo de Espinho”, monólogo do Trovador do Sertão com adaptação de Zito Jr e encenação de Erivaldo Khonda. Finalizando a festa tem o recital show da Sapecas.

Ulysses Lins - Historiador, memorialista, poeta e político, Ulisses (também grafado Ulysses) Lins de Albuquerque nasceu em Sertânia (PE), em 9 de maio de 1889 e faleceu no Rio de Janeiro em 29 de dezembro de 1979. Formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito do Recife. Foi professor interino, em 1904, e teve uma escola particular. Nomeado pelo governador Sigismundo Gonçalves, foi agente do Tesouro na Coletoria Estadual e agente fiscal do Imposto de Consumo em Pernambuco. Transferido para São Paulo, em 1938, atuou na advocacia e na indústria agropecuária. Foi deputado federal por Pernambuco em três legislaturas, nos anos 50.

Foi membro da Academia Pernambucana de Letras e seu representante na federação das Academias do Brasil, sócio do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano e membro do Instituto Genealógico de Pernambuco. Um dos seus nove filhos foi Etelvino Lins, interventor em Pernambuco em 1945.
 
Publicou Pedúnculos (1916), Ao Sol do Sertão (poesia, 1922), Mestres e Discípulos (1927), De Joelhos (com o pseudônimo de Bilac Sobrinho, 1930), Livro de Inach (1933), Um Sertanejo e o Sertão (memórias, 1957, 2ª ed., 1976), Chico Dandim (romance, 1974), O boi de Ouro e outras histórias (1975), e ainda Fogo e Cinza, Sertão Mártir, Hino à Gleba, Alma da Terra, Estrada de Espinho, Moxotó Brabo, Sol Poente e Três Ribeiras.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search