segunda-feira, 8 de julho de 2019

Ex-Prefeito Guga Lins é solto após expirar prisão temporária


             O ex-prefeito Guga Lins (PSDB) e todos os  demais presos da Operação Respubli Cae foram soltos após expirado  o prazo da prisão temporária solicitada pelo Delegado Ubiratan Rocha ao Judiciário. Segundo o próprio Delegado ao blog de Nill Junior, não há nesse momento necessidade de pedido de prorrogação, considerando que o foco das investigações é o conjunto probatório contra os investigados, que está sendo reforçado após a operação.

Foram soltos além de Guga Lins, Antônio Carlos de Santana, José Carlos Veras Soares, Aislan Cordeiro Amaral, Alexandre de Lima Laet e Expedito Santos. A informação também foi confirmada pelo advogado Henrique Brasiliano.

A maioria dos presos está no Presídio Brito Alves, em Arcoverde, em celas especiais, por terem curso superior, e foram liberados esta tarde.

Em um vídeo que está sendo divulgado pelo ex-prefeito nas redes sociais, ele agradece as “orações e o apoio” que foram dados a ele e a sua família. Lembrou que durante 4 anos governou Sertania e que sempre teve zelo com o município e cumpriu o mandato com “muita responsabilidade”. Ele se coloca à disposição da justiça.

Guga Lins foi preso na quinta-feira (4) em Maceió, capital de Alagoas, durante uma operação policial desencadeada nos dois estados. A operação “Res Publicae” cumpriu 6 mandados de prisão e 10 de busca e apreensão expedidos pelo juiz da primeira Vara da Comarca de Sertânia. Os suspeitos são investigados desde 2017, por sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva, peculato e organização criminosa.

O Delegado Ubiratan Rocha deu alguns detalhes do trabalho investigativo falando hoje à Rádio Pajeú. A investigação contou com apoio do MP e do COAF, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras. O órgão tem como missão produzir inteligência financeira e promover a proteção dos setores econômicos contra a lavagem de dinheiro. O Conselho mapeou o desvio de recursos em Sertânia. Ele destacou que houve aumento patrimonial de envolvidos e deu como exemplo o próprio Guga Lins, que adquiriu um apartamento em Maceió avaliado em R$ 3 milhões.

“As transferências mapeadas em seis meses representam mais do que os agentes públicos ganharam em quatro anos”, disse. O imóvel onde Guga foi preso é avaliado em R$ 3 milhões. “Não pegamos tudo ainda”, acrescentou. A operação ainda apreendeu relógios de alto custo, euros e dinheiro na casa de um dos suspeitos, avaliados em mais de R$ 100 mil. Com informações do Nill Junior.

Veja o vídeo de Guga Lins



Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search