sexta-feira, 15 de março de 2019

Suspeito de matar Marielle recebeu depósito de R$ 100 mil em espécie


                 O Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) identificou em relatório que o policial reformado Ronnie Lessa, suspeito de matar a vereadora Marielle Franco em março do ano passado, recebeu em sua conta um depósito de R$ 100 mil em espécie sete meses após o crime.

Lessa e o ex-PM Élcio Vieira de Queiroz foram presos na terça-feira (12), acusados de terem assassinado a vereadora e o motorista Anderson Gomes - eles negam. 

O relatório do Coaf foi citado pelo Ministério Público em um pedido de bloqueio dos bens dos dois suspeitos, aceito pela Justiça. O objetivo é garantir o ressarcimento das vítimas. A informação foi adiantada pela Globonews e confirmada pela Folha.

Presos na Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, Lessa e Queiroz serão transferidos, a pedido do Ministério Público, para um presídio federal, fora do estado. 

A próxima fase da investigação do assassinato de Marielle terá como objetivo responder se havia um mandante por trás do crime e quais são suas motivações. O assassinato completou um ano nesta quinta-feira (14).

Atos marcam um ano da morte
A frase que se notabilizou no último ano, "quem matou Marielle?", se transformou na quinta-feira (14). A pergunta que se espalhou por cidades do Brasil e do exterior foi "quem mandou matar Marielle?".

A frase está em placas e faixas que lembram o um ano da morte da vereadora Marielle Franco e Anderson Gomes, ocorrido em 14 de março de 2018, no Rio de Janeiro. As intervenções fazem parte dos atos "Amanhecer por Marielle".

Em São Paulo, faixas foram colocadas na avenida Rebouças, na altura do Hospital das Clínicas, e placas de rua foram cobertas com adesivos com os dizeres "Marielle Presente" e "Avenida Quem Mandou Matar Marielle?".

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search