quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

TCE aponta 1.548 obras paralisadas em Pernambuco

Foto: Antônio Henrique/TV Globo
         Pernambuco tem 1.548 obras paralisadas sob responsabilidade do governo do estado ou de prefeituras. É o que aponta o relatório anual do Tribunal de Contas do Estado (TCE), divulgado nesta quarta-feira (13). São R$ 7,25 bilhões em contratos e projetos que foram abandonados e ainda não beneficiaram a população. Mais de R$ 2 bilhões já foram gastos.

No último ano, 337 obras foram auditadas pelo tribunal e outras 137 foram retomadas ou concluídas. No relatório divulgado no fim de 2017, eram 1.547 obras paralisadas.

De acordo com o TCE, atualmente, 295 das obras paradas são de responsabilidade do governo estadual, o que representa um montante de R$ 4,28 bilhões. Outras 1.253 obras são vinculadas a prefeituras de 146 dos 184 municípios pernambucanos. O TCE afirma que os atrasos podem resultar em sanções, multas e até rejeição de contas públicas.

Entre as obras paradas, estão o projeto de navegabilidade do Rio Capibaribe, o Ramal da Copa, a ponte que liga os bairros de Monteiro e Iputinga, no Recife, e as reformas dos Hospitais Getúlio Vargas, Barão de Lucena, Agamenon Magalhães, Otávio de Freitas e Pronto-Socorro Cardiológico de Pernambuco (Procape), todos na capital.

Em dezembro, era possível encontrar entulhos, infiltrações, focos de dengue, materiais deteriorados e documentos espalhados pelo chão, sem o mínimo cuidado, nas obras paralisadas do Hospital Agamenon Magalhães.

Das cinco barragens prometidas em 2010 pelo governo para evitar enchentes na Mata Sul do Estado, apenas uma ficou pronta. O prazo era 2014. Serro Azul, em Palmares, foi inaugurada em 2017 com atraso. As outras quatro Igarapeba, Barra de Guabiraba, Gatos e Panelas II ficaram pelo meio do caminho. Não veem sinal de obras faz quatro anos.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search