quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Governo Bolsonrado exonera Ministro do Turismo acusado de usar "laranjas", mas diz que ele volta

              Na madrugada desta quarta-feira (06) foi publicada no Diário Oficial da União a exoneração do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL/MG), que acontece pouco mais de um mês depois da posse, com denúncias de que o correligionário mineiro usou ao menos três mulheres como candidatas laranjas para receber recursos públicos do fundo partidário nas eleições de 2018. A exoneração é assinada por Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro.

De acordo com a assessoria do ministro, ele foi exonerado da pasta para poder tomar posse no cargo de deputado. Parlamentares eleitos têm até 60 dias para tomar posse e que volta para o ministério. O Ministério do Turismo publicou em sua página oficial, em uma rede social, que o ato publicado no "Diário Oficial da União" desta quarta é uma "mera formalidade".

O caso dos laranjas

Marcelo Álvaro Antônio (PSL/MG), deputado federal mais votado em Minas, patrocinou um esquema de candidaturas laranjas no estado que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao seu gabinete na Câmara.

Com o esquema, o comando nacional do partido do PSL repassou R$ 279 mil a quatro candidatas, que tiveram pouco mais de 2 mil votos no Estado. O valor representa o percentual mínimo exigido pela Justiça Eleitoral (30%) para destinação do fundo eleitoral a mulheres candidatas.

Segundo a Folha, dos R$ 279 mil repassados pelo PSL, ao menos R$ 85 mil foram parar oficialmente na conta de quatro empresas que são de assessores, parentes ou sócios de assessores do ex-ministro de Bolsonaro.

Uma das mulheres, a professora aposentada Cleuzenir Barbosa, disse nesta terça-feira (5) ter sido ameaçada por dois assessores do ministro do Turismo e pediu asilo político para o SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras) de Portugal.

“Não viria pra cá [Portugal] assim rapidamente se não fosse para poupar a nossa vida”, disse Cleuzenir que, em dezembro, afirmou ao Ministério Público que foi coagida por dois assessores do atual ministro a devolver R$ 50 mil dos R$ 60 mil de verba pública de campanha que havia recebido do PSL.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search