terça-feira, 11 de dezembro de 2018

Após cumprir mandados, Polícia Federal deixa apartamento de Aécio Neves

            Após cumprir mandados de busca e apreensão, policiais federais deixaram o apartamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG), na manhã desta terça-feira (11), no bairro Anchieta, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte. Descaracterizados, eles saíram do imóvel carregando malotes um pouco antes das 9h. A PF também cumpriu mandados na casa da irmã do político, Andrea Neves, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Há ordens judiciais ainda contra Frederico Pacheco, primo do tucano.

A Operação, batizada de Ross, cumpre total de 24 mandados de busca e apreensão em oito estados e no Distrito Federal. São investigados os crimes de corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Em Minas Gerais, são 13 mandados de busca - 11 na Grande BH e dois em Cláudio, no interior do estado, onde a família do tucano tem um sítio. A PF informou às 10h30 que todos foram cumpridos. Doze pessoas devem comparecer à PF de BH nesta terça (leia mais abaixo); Andrea Neves chegou à sede da PF, no bairro Gutierrez, na Região Oeste da cidade, por volta das 10h e deixou o local por volta das 11h15. Até as 13h, segundo a PF, cimco oitivas tinham sido cumpridas.

O delegado-chefe da Polícia Federal em Divinópolis, Daniel Souza, disse à TV Integração que, por volta das 10h, os policiais já tinham saído da fazenda do senador, em Cláudio. Na cidade, foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão, sendo um na fazenda da família de Aécio e outro na fazenda de Frederico Pacheco, primo de Aécio. Pacheco também esteve na Polícia Federal em Belo Horizonte para prestar depoimento e deixou a superintendência pouco depois das 11h.

O advogado Alberto Zacharias Toron, que representa Aécio, afirmou que o senador sempre esteve à disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários que mostrarão a absoluta correção de todos os seus atos (veja a íntegra da nota no final desta reportagem). O criminalista Ricardo Ferreira, que defende Frederico Pacheco, disse que, oportunamente, serão prestados os esclarecimentos pertinentes.

A PF chegou a fazer um pedido de mandado de busca e apreensão contra o senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), mas a solicitação foi negada pela Justiça. Por meio de sua assessoria, o tucano afirmou que desconhece totalmente o motivo pelo qual teve seu nome envolvido nessa história. Segundo a assessoria, em toda sua trajetória, ele nunca tratou de qualquer assunto ilícito com ninguém.

Empresários que, segundo promotores, emitiram notas fiscais frias para Aécio também são alvos desta operação.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search