quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Delegada Patrícia Domingos recusa convite do governo Paulo Câmara


        A delegada Patrícia Domingos, titular da Delegacia de Crimes contra a Administração e Serviços Públicos (Decasp), que teve a extinção aprovada para a criação do Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco), recusou o convite para ser a gestora adjunta do novo órgão. A informação foi repassada nesta quarta (7), pelo secretário executivo de Defesa Social, Humberto Freire. 
Apesar de ter recusado o convite, Patrícia Domingos se ofereceu para trabalhar no Draco como investigadora. Para que o departamento fosse criado, além da Decasp, também foi extinta a Delegacia de Crimes Contra a Propriedade Imaterial (Deprim). O governador Paulo Câmara (PSB) sancionou, nesta quarta-feira, a lei de criação do Decasp.

Segundo Humberto Freire, Patrícia Domingos demonstrou "desinteresse" em assumir a direção adjunta do Draco.

A delegada Sylvana Léllis, que ajudou a criar o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), e que desde 2009 era responsável pela Academia de Policiais Civis, assume o cargo de chefe do Draco.

A Polícia Civil anunciou que, nesta quarta-feira (7), o projeto com a estrutura do departamento foi finalizado e seguiu para ser assinado pelo governador. Ainda não há um prazo específico para que o departamento comece a funcionar. Ainda é preciso realizar o inventário das delegacias extintas, para levantar informações como os materiais apreendidos que estavam nelas e quais as investigações que estavam em curso. De acordo com a Polícia Civil, os trabalhos dos investigadores não serão paralisados durante a transição para o Draco.

Extinta pelo projeto de lei, a Decasp foi responsável, nos últimos quatro anos, por 15 operações que resultaram em 49 presos, entre políticos e empresários envolvidos em esquemas de corrupção que, juntos, superam R$ 150 milhões. Com o risco da extinção da delegacia, o Ministério Público havia assumido uma das investigações, que avaliava denúncias de desvio de verba para merenda escolar.

Entre 2012 e 2015, segundo informações publicadas no site da Polícia Civil de Pernambuco, a delegacia especializada retirou 1,3 milhão de produtos falsificados de circulação, o que gerou uma estimativa de R$ 26 milhões em apreensões. O desempenho da delegacia gerou reconhecimento nacional e internacional, como o recebimento de uma honraria da Embaixada Americana.

Ultimamente a delegada Patrícia Domingos à frente da Decasp comanda três investigações que envolvem aliados do governador Paulo Câmara (PSB) nas cidades do Recife e do Cabo de Santo Agostinho. Em 2018 foram três operações: a Ratatouille, em março, que investigou fraudes de R$ 113 milhões no fornecimento de merenda escolar no Cabo de Santo Agostinho; a Ghost, no mês passado, que desbaratou um esquema de contratação de funcionários fantasmas na Câmara do Cabo, resultando no afastamento de cinco vereadores; e a Castelo de Farinha num inquérito que apurava coação a empresas que participariam de uma licitação de R$ 22 milhões para o fornecimento de merenda escolar em Ipojuca, vencida pela Casa de Farinha. O empresário Romero Fittipaldi Pontual Filho, um dos donos da Casa de Farinha, foi preso nesta última operação.



Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search