domingo, 15 de abril de 2018

Destravamento do SAMU é motivo de reunião em Serra Talhada


            O entrave do funcionamento do SAMU, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência na região que incluiu Arcoverde, será tema de uma reunião no próximo dia 23, em Serra Talhada, envolvendo três Geres, Secretários de Saúde e representantes de Ministério da Saúde e Secretaria Estadual de Saúde. Vão discutir os gargalos e soluções para destravar o serviço que deveria estar salvando vidas. 

A informação foi repassada pela Secretária de Saúde de Serra Talhada, Márcia Conrado ao radialista Nill Junior. Ela revelou que foi a Brasília com o prefeito Luciano Duque (PT) e ideia é firmar um Termo de Ajustamento de Conduta para assim que iniciar o serviço o Ministério habilitar o serviço. De acordo com Márcia, hoje, ao colocar o SAMU para funcionar, o Ministério da Saúde leva cerca de um ano para habilitar, deixando a prefeitura apreensiva por conta da demora nos repasses.

Um outro problema é o do atraso nos repasses estaduais. Segundo o Secretário de Saúde e ex-prefeito de Brejo da Madre de Deus, José Edson, o repasse da Secretaria Estadual de Saúde para o SAMU Caruaru, que cobre a região, vem atrasando há meses. “Não tem como bancar com recursos próprios”, reclama. Só para manutenção da Central de Regulação o custo médio é de R$ 500 mil.

Em Arcoverde, desde 2013 duas ambulâncias vivem paradas na garagem do antigo Arcocenter, à margem da BR 232, sem utilização e sem poder ser utilizada pelo município. O município integra a central de Regulação que deveria estar funcionando em Serra Talhada.

Uma das propostas é o rateio proporcional do que cabe às prefeituras para o serviço funcionar, observando critérios como população, por exemplo, como colocou o Secretário de Saúde Arthur Amorim. Com informações de Nill Junior.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search