quinta-feira, 19 de abril de 2018

Após mais de dois anos o assassinato de Beatriz, em Petrolina, segue sem solução


    A investigação do assassinato da menina Beatriz Mota, aos 7 anos, em Petrolina, no Sertão do Estado, ganhou um novo capítulo. Na última terça-feira (17), quando três pessoas foram ouvidas pela delegada Polyanna Néry, que mantém todas as informações do caso em sigilo por decisão da Justiça.

Em nota, a Polícia Civil de Pernambuco informou que as investigações para desvendar o caso Beatriz nunca foram interrompidas. O órgão afirmou que segue trabalhando firmemente para encontrar e punir os responsáveis.

O corpo de Beatriz Motta foi encontrado no dia 10 de dezembro de 2015 em um colégio particular onde estudava em Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Era o dia de uma festa de formatura e o local estava bastante movimentado, mas nenhuma testemunha disse ter visto o crime.

A menina foi encontrada morta com várias lesões provocadas por facadas dentro de uma sala isolada na instituição. Segundo as investigações, o suspeito teria tentado se aproximar de outras crianças antes de chegar até Beatriz.

Em outubro do ano passado, a Polícia Militar prendeu um homem com semelhanças físicas do suspeito que matou a vítima em Petrolina. No entanto, a Polícia Científica colheu material genético dele para exames e não houve possibilidade do rapaz ter praticado o crime por estar preso por tráfico de drogas na Cadeia Pública de Santa Maria da Boa Vista no dia da morte da menina.

A Polícia Civil de Pernambuco já trocou três delegados para investigar o caso, mas ocorreram poucos avanços. A polícia conseguiu, apenas, uma imagem pouco nítida de um homem que possivelmente entrou no colégio e matou a menina. Uma câmera flagrou o suspeito do lado de fora, mas nenhuma imagem do lado de dentro registrou a dinâmica do crime.

Mesmo com a imagem sendo repassada nacionalmente, ainda não está esclarecido quem matou a Beatriz. Cerca de 100 pessoas passaram por exames de DNA, mas o confronto com o material genético junto aos restos mortais de Beatriz, deram todos negativos.

Ainda não se sabe nem o motivo do homicídio e o caso segue com a delegada Polyanna Néry e promotores de Justiça, que acompanham o processo em sigilo.

Postar um comentário

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search